Dom Zenildo: “A esperança deve ser renovada na Ressurreição de Jesus”

A Páscoa é o ápice do ano litúrgico, é a festa da plenitude e da alegria. É o grande anuncio que há séculos ressoa entre os homens e mulheres cristãs. Com a cruz vazia, Jesus dá testemunho de amor à humanidade. Na mensagem do evangelho, Dom Zenildo destacou que “Cristo é nossa passagem. Nele e com Ele passamos de um estado de separação para um relacionamento de comunhão”. Passamos da morte para a vida. Por isso é preciso manter viva a chama da esperança.

O Bispo da Diocese de Borba, na homilia pascal, ressaltou o percurso feito pelos apóstolos, desde Via-dolorosa até o túmulo vazio. Esse é um caminho de aprendizado ao cristão. Por isso a festa da vida deve ser para todos nós o momento imperdível para a renovação do empenho em defesa da Terra, nossa casa comum e promoção da vida humana. A Páscoa é sempre motivo de autêntica alegria. Assim, o povo de Deus católico deve servir a Cristo com amor e alegria. Isso deve transparecer no próprio rosto feliz e confiante.

A celebração da Vigília Pascal foi o encontro com o Ressuscitado por meio da experiência salvífica da nossa fé. Fomos convidados a testemunhar a Boa notícia do Ressuscitado. Com a máxima do Papa Francisco que diz “Não deixe que ninguém tire a sua esperança, jamais!”

O encorajamento por meio da música do padre Zezinho veio para concretizar a certeza do amor de Deus por nós, quando, em tom de alegria o nosso Bispo cantou… “Vitorioso! Ressuscitou! Após três dias à vida Ele voltou/ Ressuscitado, não morre mais/ Está junto do Pai/ Pois Ele é o Filho eterno/ Mas Ele vive em cada lar/ E onde se encontrar um coração fraterno/ Proclamamos que Jesus de Nazaré/ Glorioso e triunfante, Deus conosco está! Ele é o Cristo e a razão da nossa fé/ E um dia voltará”.  Com isto, alimentemos em nosso coração o ardente desejo de encontrar pessoalmente o Senhor da Vida e da Esperança!


A convocação do Bispo Diocesano Dom Zenildo Luiz foi para
“seguirmos cantando a alegria de sermos filhos e filhas de Deus, libertos de toda solidão e prontos para entrarmos em comunhão com o Pai, por isso devemos cantar a nossa fé no amor que nos salva, sendo peregrinos em direção à Terra Prometida, fazendo de nossa vida uma páscoa contínua”.

Francelina Souza, coordenadora da Pastoral de Comunicação da Diocese de Borba – Am

Compartilhe:

Posts Relacionados

Nos Envia uma Notícia